Eleições APFA 2016: Conheça as propostas de Duarte Hipólito Carreira

Duarte Carreira (e), Luis Ribeiro e André Amorim (d) celebram conquista da Liga Portuguesa 2015/2016. Foto Perfil/Facebook

Na tarde deste sábado (28), a Associação Portuguesa de Futebol Americano (APFA) elegerá o substituto de Isaías Moreira para presidente da entidade. Concorrem ao cargo Bruno Settimelli (Lisboa Navigators) e Duarte Hipólito Carreira (Lisboa Devils). A votação iniciará por volta das 15h no horário de Lisboa (às 12h no horário de Brasília).

Confira como encerrou a temporada 2016/2017 da Liga Portuguesa

Em contato com o Futebol Americano Brasil, Carreira apresentou suas propostas para gerir a APFA. Confira abaixo quais são as promessas do candidato.

“A Lista que lidero tem como objectivo fazer com que o Futebol Americano se estabeleça definitivamente como uma das modalidades de maior crescimento em Portugal. Em poucos anos, o Futebol Americano chegou aos mais de 500 praticantes, número este que tem tendência para aumentar. Mas para chegarmos à meta que pretendemos, há três pilares que precisam ser respeitados e cujos processos necessitam ser interiorizados por todos.

São eles os pilares organizacionais, desportivos e comunicacionais.

Pilar Organizacional

De nada valerá ter uma boa imagem externa se internamente não arrumarmos a casa. E para isso contamos que, nos primeiros trinta dias de mandato, se faça uma avaliação da situação financeira da APFA, sendo a mesma disponibilizada a todos os Associados após as suas conclusões, através de um relatório de análise preliminar.

Se formos eleitos trataremos também de dar acesso de consulta a todos os Associados inscritos na APFA à Conta à Ordem da Associação, para que possam fazer um acompanhamento regular e transparente da actividade financeira diária da instituição.

Uma vez que não nos revemos em modelos de gestão solitária, é imperativo uma distribuição de tarefas por todos os membros da Direcção, de forma a agilizar o funcio- namento da Associação, com forte incidência para a exigência no cumprimento das responsabilidades de cada um assim como dos timings de decisão e implementação.

Trataremos de rever e propor aos Associados a aprovação de novos Estatutos da Associação Portuguesa de Futebol Americano, já que os actuais carecem de qualidade para ser aceites no Instituto Português do Desporto e Juventude (IPDJ), o que tem impossibilitado o Registo da APFA junto do IPDJ enquanto Associação Promotora de Desporto. Este passo é fundamental para a APFA se tornar numa instituição com utilidade pública, o que reveste de particular importância para quem se quer constituir numa Fede- ração o quanto antes.

Outra das preocupações passará por reformular o Regulamento Interno, tornando-o mais claro e menos burocrático. Quanto ao Regulamento da Competição, este irá ser completamente redesenhado, em linha com as melhores práticas da IFAF, permitindo uma maior agilização às equipas em processos complexos como a inscrição de jogadores mas também uma maior responsabilização ao nível organizacional.

Se todos ambicionamos um dia ser uma Federação de Futebol Americano é preciso exigir mais às estruturas dos Clubes para que estes consigam acomodar as imposições regulamentares que este regime requer.

Queremos que actos como a inscrição dos jogadores e treinadores passem a ser electrónicos, servindo o papel para apenas ratificar o já realizado via Internet. Por exemplo: uma equipa que tem um jogo no sábado/domingo pode inscrever esse atleta online até à quinta-feira antes desse jogo e tem até à sexta-feira da semana seguinte ao jogo onde esse atleta participou para fazer chegar aos serviços da Associação o documento original, devidamente assinado.

Do ponto de vista teórico, a aposta na Formação dos agentes desportivos é grande, em particular com ênfase nos treinadores, jogadores e árbitros. Pretendemos organizar anualmente um Training Camp que servirá para transmitir conhecimentos teóricos (mas também práticos) a estes três agentes desportivos, misturando acções que envolvam todas as partes.

A APFA, no âmbito da promoção do desporto, deverá ter uma parte interventiva no desenvolvimento e apoio de novos projectos de futebol americano em Portugal.

Por esse motivo, pretendemos ter um starter kit para novos projectos ao nível organizativo indicando quais os principais custos associados à criação e manutenção de uma equipa de futebol americano, solicitando, ao nível desportivo, o apoio dos Associados existentes para esses projectos (um por Associado, por ano), com a disponibilização de Head Coaches e alguns jogadores por um dia ou fim-de-semana, para que haja uma transmissão de conhecimento e experiência aos novos elementos, para que esse conhecimento possa proliferar.

Numa segunda fase, temos como objectivo apoiar os projectos existentes na busca de apoios estatais, junto das Câmaras Municipais ou Juntas de Freguesia, nomeadamente quanto à obtenção de locais de treino e jogo e de meios de transporte da equipa para os seus jogos, a preços mais reduzidos ou gratuitos.

Pilar Desportivo

A Liga Portuguesa de Futebol Americano (LPFA) será sempre o grande baluarte da Associação Portuguesa de Futebol Americano, que pretende consolidar a médio-prazo a “marca LPFA” como uma das mais competitivas Ligas europeias.

Para que tal aconteça, todas as épocas da competição sénior deverão ter início no último fim-de-semana de Novembro e terminar, preferencialmente, no final de Março. Assim não só conseguiremos evitar um campeonato demasiado extenso como ainda nos podemos estabelecer como uma Liga apelativa para a presença de treinadores e jogadores estrangeiros que pretendam acomodar duas épocas desportivas num ano civil.

Mas no plano desportivo pretendemos ainda criar três competições adicionais, com estimativa de início a partir de 2018:

1) A Taça de Portugal de Futebol Americano, competição a eliminar onde as equipas participantes da Liga Portuguesa de Futebol Americano poderão também competir contra equipas que, não estando na LPFA, pretendam jogar este troféu;

2) A Liga Portuguesa de Futebol Americano versão feminina, para dar competição

aos planteis que já existentes em Portugal;

3) E a Liga Portuguesa de Futebol Americano sub-18 (15-17 anos), versão tackle ou Flag Football, para ter início na época desportiva de 2018/2019 mas que deverá ter uma componente de demonstração ao longo da época 2017/2018.

Temos ainda intenção de contactar a nossa congénere espanhola no sentido de recu- perar a LIFA, Liga Ibérica de Futebol Americano, uma competição onde as melhores equipas portuguesas e espanholas se defrontariam. Esta prova esteve para ser uma realidade num passado muito recente – algumas equipas nacionais foram inclusive contactadas – mas posta “on hold” posteriormente.

Mas a maior prova do empenho desta Lista passa pela apresentação de algo que, ainda em 2016, vai trazer grande visibilidade ao desporto: a criação da Team Portugal, uma selecção composta pelos melhores jogadores portugueses de Futebol Americano. Esta selecção tem como objectivo dar experiência internacional aos jogadores portugueses
e preparar o caminho para a primeira participação de Portugal numa competição internacional de selecções.

Pilar Comunicacional

Queremos que o Futebol Americano esteja na ordem do dia enquanto decorre a competição mas também em período de off-season e pre-season. Para tal reconhecemos que há um longo caminho a percorrer mas que os clubes tem de entender como sendo tão importante quanto a vertente desportiva ou organizacional.

Um dos desejos desta Direcção passa por, logo no primeiro de ano de actividade, avaliar a possibilidade de se transmitir o “Jogo da Semana” (via streaming ou canal por Cabo) da LPFA, com o melhor jogo a ter direito a transmissão. Naturalmente que isto poderá implicar algum esforço financeiro das partes envolvidas mas a hipótese de re- torno em termos de apoios e patrocínios para os Clubes é tão grande que o investi- mento fica rapidamente pago.

Igualmente importante no aspecto organizacional mas também para manter a coerência comunicacional é saber antecipadamente qual o local da grande Final de cada edição da Liga Portuguesa de Futebol Americano. Por isso pretendemos que à data que for publicamente divulgado o calendário de cada LPFA será também anunciado o nome da cidade onde a Final terá lugar. Desta forma pretendemos dar tempo aos Clubes
para anteciparem eventuais despesas com deslocações e minimizá-las o quanto antes. Por outro lado, queremos aproveitar o habitual “Road to ” usado em várias competições e adoptá-lo para português como um dos headlines de cada com- petição.

No que ainda concerne à competição, um dos grandes esforços desta Lista passará por vender o naming da Liga Portuguesa de Futebol Americano, arranjando uma fonte de investimento alternativa e que possibilite não apenas um encaixe para a Associação mas também mais fundos para melhorar sectores críticos da nossa modalidade.

Pretendemos ainda incentivar todas as equipas a melhorar a sua Comunicação nas Redes Sociais mas também através dos seus sites, já que estas são a principal arma de cada Clube quer ao nível da captação de potenciais novos atletas mas também de divulgação das suas actividades.

Como queremos chegar a ainda mais público, a direcção proveniente desta Lista pretende arranjar formas alternativas de demonstração da modalidade, como pode o caso de providenciar mini-jogos de Futebol Americano nos intervalos das partidas de Futebol de alguns clubes das cidades onde as equipas estão sediadas.

Por fim, anunciamos a intenção de avaliar a hipótese de a APFA trabalhar em estreita colaboração com uma agência de relações públicas, através concurso com carta fecha- da. Com isto é nossa intenção atingir dois grandes objectivos: a promoção activa da modalidade, os seus Clubes e as suas provas nos Órgãos de Comunicação Social nacionais e garantir uma atenção mediática nunca vista às Finais da Liga Portuguesa de Futebol Americano, de forma a possibilitar termos estádios cheios que permitam restituir este investimento, quer através de ingressos quer pela captação de apoios e/ou patrocínios’.