João Pessoa Espectros encara Recife Pirates a uma vitória dos playoffs

Barnes segue com a missão de proteger Dantas no pocket do João Pessoa Espectros. Foto Anderson Silva

O João Pessoa Espectros volta a campo no próximo domingo (20) contra o Recife Pirates em jogo válido pelo Brasil Futebol Americano (BFA). Campeão em 2015 e semifinalista ano passado, o time da capital paraibana dará mais um passo importante rumo ao bicampeonato caso vença os pernambucanos, pois já garante a classificação aos playoffs da competição com duas rodadas de antecedência.

Confira a classificação do BFA



Atualmente os Espectros dividem a liderança do certame nacional com o Ceará Caçadores, Santa Maria Soldiers, Cuiabá Arsenal e Rio de Janeiro Patriotas. Todos com três vitórias em três jogos. O Recife Mariners, o Botafogo Reptiles, o Sada Cruzeiro e o Timbó Rex – atual bicampeão brasileiro -, também estão invictos, porém com um jogo a menos. Todos os invictos entram em campo na rodada do próximo fim de semana. O time paraibano, com 121 pontos marcados, ainda tem o melhor ataque entre as 30 equipes que disputam o certame.

Para o confronto de domingo, os Espectros terão o retorno do americano Adolphus Barnes. O jogador de linha ofensiva, responsável pela proteção ao quarterback Rodrigo Dantas, fez parte do elenco da temporada 2016 e já está à disposição do técnico Kevin Veloso. Além de Barnes, o time conta com outro americano no elenco, o defensor Carlos Cox.

O presidente da equipe, Diego Martins, explicou o motivo de Barnes só se integrar ao elenco fantasma depois de três partidas.

— Desde o início do ano, o planejamento era trazer novamente os dois americanos do ano passado [Barnes e Cox], que se integraram bem ao time e foram importantes para a campanha anterior. Porém, o lado financeiro pesou e só tínhamos podido confirmar a chegada de Cox por enquanto. Felizmente, conseguimos renovar com os patrocinadores do ano passado, a Academia Red Zone e o Restaurante Domani, e tivemos recentemente a chegada de mais um grande apoiador, a empresa de serviços G&E, de Brasília, que está chegando ao mercado paraibano e escolheu os Espectros para tornar a marca conhecida localmente —explicou Martins.

Adversários têm realidades e mando de campo invertidos

O jogo de domingo originalmente tinha mando do Recife Pirates e estava marcado para Recife. Porém, o time de Pernambuco vive situação complicada dentro e fora de campo e ficou sem opções de estádio quando o tradicional estádio dos Aflitos, que foi a casa do futebol americano em Recife nos últimos anos, foi fechado. O local aguarda o início das reformas necessárias para voltar a receber o seu dono, o Náutico, nos jogos da Série B.

Como o Náutico segue na Arena de Pernambuco, enquanto não volta aos Aflitos, e o Recife Mariners, arquirrival tanto dos Pirates quanto dos Espectros, saiu na frente e negociou para fazer todos os seus jogos na Arena este ano. O Recife Pirates ficou sem opção de local para mandar seus jogos. Por ironia, realidade que afligiu os paraibanos até 2013, antes de fechar com o Governo do Estado para jogar no Almeidão e na Vila Olímpica Parahyba.

A solução dos Pirates foi pedir autorização à Liga Nordestina para oferecer o mando de campo aos Espectros, já que as equipes têm um bom relacionamento. Além de compartilharem a rivalidade com os Mariners, Espectros e Pirates estreitaram os laços no início do ano, quando o time de João Pessoa emprestou alguns atletas que compuseram o elenco pirata na disputa do campeonato pernambucano. Os Pirates foram vice-campeões, quando perderam a final exatamente para os Mariners.

Sem o reforço das peças dos Espectros, contudo, a realidade atual do time é bem diferente da dos paraibanos. Enquanto os fantasmas estão invictos em três jogos. Os piratas ainda não sabem o que é vencer este ano. Caso percam no domingo, o time estará automaticamente sem chances de classificação e passa a lutar para não ser rebaixado.

Comentários? Feedback? Siga-nos no Twitter em @fabrnoticias e curta-nos no Facebook.