Kvas pode ser um coringa na secundária do Brasil Onças

Anderson Kvas tem a possibilidade de atuar como strong safety, cornerback e nickel nas formações do Brasil Onças. Foto Emanuelle Mattos

O Futebol Americano Brasil conversou com Anderson Kvas para que os fãs conheçam mais um pouco sobre o defensive back do Paraná HP e Brasil Onças. Pelas informações iniciais, os Onças usarão como base a formação 43, o que deixa quatro jogadores para atuar na secundária e numerosas formações na secundária.

Confira a convocação do Brasil Onças



Pensando nas possibilidades para enfrentar a Argentina Halcones, o head coach Gabriel Mendes, o coordenador defensivo Clayton Lovett e o coordenador de DBs Fernando Giovannotti trabalham para que sistema aéreo feche as possibilidades do signal caller argentino.

Lovett e Giovannotti podem alternar entre cover 2 e cover 3. Para tal, o perfil buscado foi de atletas que dominassem o 2 read, além de serem shutdowns ou hawkeyes. Mesmo sem muito material para estudar, os Onças trabalham com diversas situações diante dos Halcones.

— Com relação as formações os coachs estão dando início aos trabalhos de playbook com todo o time, mas ainda não podemos fazer qualquer divulgação ou comentário, pois um dos principais quesitos do futebol americano é a estratégia. Para fazermos a própria análise da seleção Argentina temos pouco material e neste momento não podemos divulgar muitas informações de dentro dos grupos — explicou Kvas.

Mudar a formação base 43, que foi usada na última IFAF World Championship de 2015, também é uma das metas de Mendes. Alterar para 4-2-5 em que o quarterback seja pocket passer, reforça a secundária dos brasileiros e aumenta a chance de turnovers por interceptação, ou até mesmo aproximar os safeties para lotar o box e ter um run stopper.

— Com relação ao meu perfil, trabalhei muito este ano no HP na formação 4-2-5, sendo um homem realmente isolado no fundo, mas um pouco mais próximo do box para auxiliar na corrida e auxiliar no passe ao mesmo tempo. Mas não existe muita dificuldade em trabalhar em uma 4-3. No ano passado, diversifiquei muito de posição, joguei principalmente de nickel e strong safety, chegando a compor o box em alguns jogos. No paranaense de 2016, cheguei até a me aventurar de cornerback, onde consegui uma interceptação. Então, não vejo problema em me adaptar ao estilo da Seleção — comentou.

No ano passado, Kvas foi eleito o MVP do campeonato paranaense e o MVP do Paraná Bowl. Em julho deste ano, recebeu o maior número de votos na Jogada Defensiva, promovida pelo Salão Oval. Em toda a temporada 2017, o atleta somou duas interceptações, um pick six, um forced fumble e um fumble recuperado.

Comentários? Feedback? Siga-nos no Twitter em @fabrnoticias e curta-nos no Facebook.