A posição da CBFA sobre o racha da IFAF

O Futebol Americano Brasil procurou o presidente da Confederação Brasileira de Futebol Americano (CBFA), Guto Sousa, para entender as razões da entidade em não enviar um representante ao Congresso Anual da International Federation of American Football (IFAF), que foi realizada no último sábado (17), em New York, nos Estados Unidos.

É importante ressaltar que houve também um congresso anual da IFAF, em Paris, na França, no mesmo dia. Este evento contou com membros que apoiam a presidência de Tommy Wiking.

Saiba mais sobre o racha da IFAF

Em julho de 2015, após a realização da IFAF World Championship – a copa do mundo de futebol americano – em Canton/Ohio, estava agendado o 18º Congresso Anual da entidade. Porém, o racha político entre Tommy Wiking e Roope Noronen acabou dividindo o evento em duas partes. De um lado, os membros que apoiavam o vice-presidente da IFAF, o finlandês Noronen. Entre estes membros, estava o Brasil. De outro, os apoiadores do presidente afastado, o sueco Wiking.

Após o congresso de 2015, Sousa explicou a posição do Brasil.

— Independentemente do que venha a acontecer, o Brasil continua como membro da IFAF como os outros 70 membros. A decisão foi estratégica de estar alinhado onde as principais potências das Américas estão. A gente entende estar estrategicamente onde é mais benéfico para o desenvolvimento do esporte aqui no país, que é estar do lado dos Estados Unidos, México e Canadá, Panamá e países da América do Sul. Mas mesmo assim trabalhar para união de todos os países da América em torno de objetivos comuns — explicou Sousa.

Entretanto, Wiking é acusado de corrupção e lavagem de dinheiro na Suécia. Contudo, quem determinará a saída ou não do sueco do cargo de presidente da IFAF é a justiça francesa, já que a sede da entidade está localizada em La Courneuve, na França.

Sousa preferiu não ir ao congresso de Noronen e nem enviar um representante da CBFA para não causar um desgaste na imagem brasileira internacionalmente.

— Houve decisões da justiça da França que permitiram o outro grupo [liderado por Wiking] realizar o congresso. Outras federações estão também mais neutras. Na verdade, nós continuamos apoiando o Roope Noronen, porém ambos os congressos terão sua validade contestada — explicou.

A realização do congresso anual em New York é um passo estratégico, pois, o Tribunal de Arbitragem do Desporto (CAS, na sigla em inglês) tem um tribunal justamente na Big Apple, apesar da sede ser em Lausanne, na Suíça. Vale informar que o CAS é reconhecido pelas federações olímpicas internacional, e a IFAF batalha para tornar o futebol americano um esporte olímpico.