Sodré retoma a carreira e Coritiba Crocodiles anuncia pacote de reforços para 2018

Sodré volta da aposentadoria para defender o Coritiba Crocodiles. Foto Arquivo pessoal

A offseason chegou forte no Paraná. O atual vice-campeão estadual anunciou um pacote de reforços para a temporada 2018. Tratam-se de cinco chegadas no roster do Coritiba Crocodiles. Ingressam na equipe os wide receivers Athos Daniel Jr. (ex-Curitiba Brown Spiders) e Ivan Tonolli (ex-Timbó Rex), os offensive lines Carlos Brock (ex-Curitiba Guardian Saints) e Pinguim (ex-Brown Spiders), além do defensive back Filipe Sodré, que retoma a carreira após duas temporadas aposentado do Rio de Janeiro Patriotas.

Saiba como foi a temporada 2017 do campeonato paranaense



Junto com as entradas dos brasileiros, o site FA Paranaense, através de Vinícius Basso, apurou que fontes internas da equipe também renovaram a permanência do quarterback americano Drew Banks. O retorno do americano estava em negociação nos últimos dias.

O Futebol Americano Brasil conversou com Sodré para saber mais sobre as expectativas do defensive back que interrompeu a aposentadoria para defender as cores dos Crocodiles. A admiração pelo clube paranaense foi um dos motivadores para se mudar do Rio de Janeiro para Curitiba.

— Se tem uma coisa que eu vou levar para vida toda do futebol são as amizades. A rapaziada do croco sempre foi muito gente fina. Além disso, desde 2009, quando pelo Fluminense Imperadores nos enfrentamos pela primeira vez, na semifinal do brasileiro, aprendi a admirar essa equipe tão tradicional. Eu não podia negar um convite desse. Eu sei que ainda tenho gasolina no tanque. Só as lesões não me atrapalharem tanto, vou jogar essa temporada, senão, faço a transição pra comissão técnica — explicou.

Após passar pelas principais equipes cariocas e defender o Brasil Onças, a volta aos relvados não o intimida. A expectativa de defender a secundária são as melhores possíveis.

— Já são 14 temporadas (contando com essa) jogando, então o nervosismo já não existe muito. Mas, estou ansioso para vestir essa camisa linda do croco e poder ajudar onde o time precisar. Não tenho exigência de titular nem nada, quero aprender e ensinar. Se eu perceber que a minha melhor contribuição é na sideline, vou com maior prazer — disse.

Aos 31 anos, Sodré crê que ainda se encontra com aptidão física para atuar em alto nível, mesmo com a mudança de sistemas das equipes brasileiras para o spread formation, deixando um pouco de lado o personel pesado para corridas.

— Fisicamente estou ainda melhor que em 2015 (quando se aposentou). O que eu mais quero é jogar contra spred formation. Preciso de novos desafios para me manter focado. Acho que isso também tem a ver com a minha vontade de voltar. Quero ver se ainda consigo me destacar mesmo com a grande evolução dos nossos quartebacks e dos sistemas das equipes brasileiras — finalizou.

Comentários? Feedback? Siga-nos no Twitter em @fabrnoticias e curta-nos no Facebook.