October 17, 2021
Dunck rompeu o LCA e só voltará ao Goiânia Rednecks em 2022. Foto Galera na Foto/Divulgação/Futebol Americano Brasil

Dunck se lesiona e McCombs quer explorar o no huddle no Goiânia Rednecks

Tempo aproximado de leitura:3 minutos, 31 segundos

Dunck rompeu o LCA e só voltará ao Goiânia Rednecks em 2022. Foto Galera na Foto/Divulgação/Futebol Americano Brasil

A Taça Cairo Santos se avizinha na temporada 2021 e o Goiânia Rednecks também inicia os preparativos para mais uma disputa. O atual vice-campeão da competição terá uma baixa na unidade de ataque. O receiver Pedro Dunck rompeu o ligamento anterior cruzado (LCA) da perna direita e está fora da competição. O jogador sofreu a lesão no mês de julho, durante um jogo amistoso de futebol.

Saiba como foi a temporada 2020 da Taça Cairo Santos

O antigo tight end dos Rednecks já passou por cirurgia e está em fase de recuperação por fisioterapia e reforço muscular. A estimativa é que retorne aos gramados somente em 2022.

— Operei o joelho dia 20 de julho, no momento estou com dois meses de cirurgia. Estou fazendo direitinho todo o processo de reabilitação, por um tempo foi só fisioterapia, e agora o ortopedista liberou academia. A princípio, eu fiz todo o possível para fazer a cirurgia o mais rápido pensando em um retorno ainda esse ano. E existem protocolos acelerados de retorno ao esporte pós-LCA, porém peguei a opinião de mais de um médico e de vários fisioterapeutas, e eles contra indicaram o retorno ao esporte esse ano. No caso, o mínimo sugerido é de seis meses, com retorno previsto em janeiro — explicou Dunck.

Mesmo fora dos campos, o jogador tenta auxiliar os companheiros de programa em Goiânia.

— Com certeza vou ajudar o Rednecks de todas as maneiras possíveis, porém, infelizmente acredito que não poderei ajudar a equipe dentro de campo — comentou.

A baixa não muda o sistema ofensivo dos Rednecks

Com tradição em atuar no air raid offense e em spread formation, a baixa de Dunck será suprimida com a entrada do second string. O jogador também foi movido de tight end para wide receiver.

— Uma das primeiras coisas que fiz quando cheguei a Goiânia foi mudar Dunck de tight end para wideout jogando nos números. Dunck é alto e atlético com velocidade furtiva. Poder ir na formação spread com quatro wide receivers alinhados sendo Carlos Paiva, Pedro Dunck, e os irmãos  Ewander e Ewandson Nunes era algo que estava ansioso para ver — contou o head coach americano Brayden McCombs.

— Esse ano, o nosso head coach me queria de wide, porque estava muito bem fisicamente e ele queria explorar altura e velocidade. Então, de qualquer maneira iria jogar de recebedor Z.

Deslocar Dunck para wideout não significa abandonar o 11 personnel no Goiânia Rednecks, já utilizado no ano passado nos dois jogos contra o Gama Leões de Judá.

— Eu executo o 11 personnel, mas costumo manter o meu tight end afastado da linha como um slot receiver. Paiva seguirá como inline tight end, enquanto Dunck passa para wideout. Acho que Dunck é um ótimo outside receiver, porque é alto e com boa envergadura — disse McCombs.

Além de Paiva, o programa conta com Bruno Aguiar de backup para proteção extra no pocket e ataques na flat e curl zones.

Outra preocupação é manter o ritmo acelerado durante as partidas. Com quatro receivers em campo, os Rednecks podem diminuir o rendimento no último quarto por cansaço. Durante este período de pandemia por SARS-CoV-2 – o vírus que causa a COVID-19 -, o treinador focou esforços para elevar o condicionamento físico do roster.

— Uma das grandes coisas que prego é o condicionamento. Sei que é difícil manter a galera em forma aqui no Brasil, mas estar bem preparado fisicamente é um dos pilares da nossa equipe. Além disto, tenho outros bons receivers, Aguiar pode atuar nas duas funções e Kassio Nascimento pode sair de running back para alinhar mais a frente — argumentou McCombs.

O treinador ainda mostrou que o Goiânia Rednecks tem capacidade de fazer play calls na deep zone.

— No ataque vamos rodar um sistema spread no huddle. Acho que estamos bem equilibrados e com capacidade de fazer qualquer coisa. Creio que os Rednecks serão um time bem divertido de ver neste ano com muitas big plays. Como play caller, tu precisas decidir no que a defesa te apresenta, então, você terá a aptidão de atacar em diversas partes do campo a qualquer instante — finalizou McCombs.

Sobre o autor

Henrique Riffel

Jornalista e editor-chefe do Futebol Americano Brasil. Pós-graduado em Jornalismo Digital pela Famecos/PUCRS. Ex-colaborador do Pro Football e American Football International. Antigo produtor multimídia do Locast Project do MIT/EUA
Happy
Happy
100 %
Sad
Sad
0 %
Excited
Excited
0 %
Sleepy
Sleepy
0 %
Angry
Angry
0 %
Surprise
Surprise
0 %

Comentários? Feedback? Siga-nos no Twitter em @fabrnoticias, no Instagram em @futebolamericanobrasil_ e curta-nos no Facebook.

Average Rating

5 Star
100%
4 Star
0%
3 Star
0%
2 Star
0%
1 Star
0%

2 thoughts on “Dunck se lesiona e McCombs quer explorar o no huddle no Goiânia Rednecks

  1. O Dunk é muito diferenciado. Eu tive honra de jogar com ele em 2019 e desde então acompanho a trajetória dele pelas redes sociais. Quando eu vou atrás de referência sobre mentalidade de atleta ele me vem em mente. Insanooooo irmão. Mente e corpo trabalhando juntos com disciplina. Já estou no aguardo da tua volta aos campos. Sucesso sempre. 🔥🙏🏿🚀

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *