Tubarões do Cerrado e a variação da T-Formation

Os Tubarões do Cerrado em T-Formation no jogo contra o Sorriso Hornets pelo BFA de 2018. Imagem Hornets/Reprodução/Futebol Americano Brasil

A formação em “tê”, ou T-Formation (já nos jargões do futebol americano), é uma das primeiras formações ofensivas a existirem na história do esporte. Lembrando que, à época em que esta formação era comumente utilizada, o passe para frente era inexistente. Assim, nada melhor que uma solução pesada para fortalecer ainda mais o jogo corrido. Geralmente, a T-Formation usa o personnel 32 (três running backs e dois tight ends), com o quarterback em under center. Atualmente, é uma formação ofensiva bem rara e quase não vista nos certames, sendo mais utilizada em youth football, ou seja, em equipes com jogadores de até mais ou menos 15 anos de idade.

Saiba como foi a temporada 2019 do BFA

A T-Formation usa personnel 32, com três running backs e dois tight ends
A T-Formation usa personnel 32, com três running backs e dois tight ends

Aqui no Brasil, vimos ela apenas em uma temporada. Digo, com uma equipe que levou a formação aos holofotes nacionais. O ano era 2018, e os Tubarões do Cerrado, comandado pelo head coach Fabricio Ataide, chegou à melhor campanha até então na história do programa no campeonato nacional, perdendo na semifinal para o João Pessoa Espectros por 19 a 0.

Naquela campanha, os Tubarões do Cerrado chamaram a atenção com um sólido jogo corrido e com a ascensão de jogadores como os irmãos Ewan e Ewander Nunes e Lucas Tojal. Antes de adentrarmos no mérito da questão, vale a pena trazer à tona a importância da continuidade de um bom trabalho. Fabricio Ataide começou como treinador dos Tubarõesem 31 de dezembro de 2016. Então podemos dizer que são três anos à frente do time. Desde então, o coach já foi bicampeão da Conferência Centro-Oeste do Brasil Futebol Americano (BFA) por duas duas vezes (2018 e 2019) e escolhido coach All Pro Centro-Oeste.

Logo que vi o jogo entre TdC e Sorriso Hornets, em outubro de 2018, tratei de contatar o coach Ataide, o qual foi muito receptivo, para falar da T-Formation. Por óbvio que eu percebi que não se tratava da pura T-Formation, mas uma variação, uma adequação. Porém, continuava o mesmo personnel e a mesma ideologia: fortalecer o jogo corrido. Quando perguntado sobre sua invenção, o coach explica.

— O jogo é centenário e muitas mentes brilhantes já fizeram muita tentativa e erro nas concepções táticas. Existem tantas joias em termos de tática no nosso esporte que acredito
não precisar de inventar tão cedo — disse.

Inventar talvez seja uma palavra forte. Diria que o coach adequou a T-Formation para seu estilo de jogo, predominantemente em shotgun – quando o signal caller não está em under center e tem o corredor ao seu lado.

Lembram da T-Formation raiz, correto? Pois bem, essa é a adequação (e excelente, diga-se de passagem) feita pelo coach Ataide.

É quase uma mistura de T-Formation com Pro Set (com um sniffer, ou o cara que fica logo atrás geralmente do guard). Só que neste caso temos os dois tight ends e os dois sniffers. Ocorre que na formação Pro Set, geralmente o sniffer é um tight end ou um fullback. Nesta variação de T-Formation são três corredores, dois deles alinhados como sniffer.

A adequação da T-Formation em shotgun feita pelos Tubarões do Cerrado
A adequação da T-Formation em shotgun feita pelos Tubarões do Cerrado

Poderíamos nomear essa variação como Y-Formation, dada à similitude com a letra? Brincadeiras à parte, é preciso louvar a genialidade. Em tempos de ataques aéreos e espalhados pelo campo, uma defesa jogar contra uma formação fechada é desafiador. E o segredo quem conta é o coach Ataide.

— Quer saber o segredo? Você vem jogando contra defesa nickel/dime e coloca dois gaps adicionais no ataque, e basicamente torna o cornerback uma peça inútil — comentou.

Essa formação foi utilizada pelo TdC especificamente no último quarto da partida contra os Hornets (veja o vídeo a partir de 33:33), quando a partida estava 16 a 10. Talvez o objetivo fosse gastar relógio frente a um jogo tão guerreado. Mas a tal formação rendeu dois touchdowns e uma conversão de dois pontos à equipe de Brasília. Ou seja, podemos alegar que a adequação da T-Formation feita pelo coach Ataide foi a grande responsável pela vitória de 30 a 17, já que sem seus dois touchdowns e a conversão de dois pontos (14 pontos) o Sorriso Hornets poderia ter saído vencedor da partida.

Assista o duelo entre Hornets vs TdC pelo BFA de 2018

Comentários? Feedback? Siga-nos no Twitter em @fabrnoticias, no Instagram em @futebolamericanobrasil_ e curta-nos no Facebook.

Leave a Comment